quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

O ponto forte do meu trabalho é que priorizo o ser humano – Eduardo Borba [Prêmio BeefPoint Bem-estar Animal]

BeefPoint realizará um grande evento – BeefSummit Bem-estar Animal -,  no dia 8 de maio de 2014, no Centro de Convenções do Ribeirão Shopping, na cidade de Ribeirão Preto/SP.
O evento terá a participação especial de Temple Grandin – pesquisadora que é referência mundial em bem-estar animal. Além de palestras inovadoras, com o Prof. Mateus Paranhos da Costa e pecuaristas que são referência nas práticas de bem-estar animal no Brasil.
Estes profissionais irão compartilhar casos de sucesso e aprendizados nesta área que cresce, a cada dia, dentro da cadeia produtiva da carne. E para fechar o dia com chave de ouro realizaremos a entrega do Prêmio BeefPoint 2014 – Edição Bem-estar Animal, que irá homenagear pecuaristas, profissionais, vaqueiros e pesquisadores que são referência em bem-estar no Brasil.
O público escolherá por meio de votação online, o vencedor de cada categoria. Assim, para você – leitor BeefPoint -, conhecer melhor os indicados, nós preparamos uma entrevista com cada um deles!
Conheça José Eduardo Pacheco Borba, finalista na categoria Profissional Referência em Bem-estar Animal.
Captura de Tela 2014-04-11 às 11.42.18

Logotipo BeefPoint
Home
Editorial 
Giro do Boi
Cadeia Produtiva 
Cotações
Cursos
Contato 
AgroTalento


ENTREVISTAS 11/04/14 - por Equipe BeefPoint
O ponto forte do meu trabalho é que priorizo o ser humano – Eduardo Borba [Prêmio BeefPoint Bem-estar Animal]
O BeefPoint realizará um grande evento – BeefSummit Bem-estar Animal -,  no dia 8 de maio de 2014, no Centro de Convenções do Ribeirão Shopping, na cidade de Ribeirão Preto/SP.

O evento terá a participação especial de Temple Grandin – pesquisadora que é referência mundial em bem-estar animal. Além de palestras inovadoras, com o Prof. Mateus Paranhos da Costa e pecuaristas que são referência nas práticas de bem-estar animal no Brasil.

Estes profissionais irão compartilhar casos de sucesso e aprendizados nesta área que cresce, a cada dia, dentro da cadeia produtiva da carne. E para fechar o dia com chave de ouro realizaremos a entrega do Prêmio BeefPoint 2014 – Edição Bem-estar Animal, que irá homenagear pecuaristas, profissionais, vaqueiros e pesquisadores que são referência em bem-estar no Brasil.

O público escolherá por meio de votação online, o vencedor de cada categoria. Assim, para você – leitor BeefPoint -, conhecer melhor os indicados, nós preparamos uma entrevista com cada um deles!

Conheça José Eduardo Pacheco Borba, finalista na categoria Profissional Referência em Bem-estar Animal.

Captura de Tela 2014-04-11 às 11.42.18

José Eduardo Pacheco Borba é conhecido no meio profissional como Prof. Borba, onde desenvolve atividades na área de “Consultor de Capacitação” – denominação dada por seu grande amigo Breno Barros!

Mora na sede do Projeto Doma em Capivari/SP, onde Borba e a Dudi Ometto – sua esposa e companheira -, desenvolve um paralelo. Ela com cavalos e cursos de rédeas e Borba com iniciação de potros, escola básica e cursos de equitação de vaqueiro e educação equestre com animais jovens.

Captura de Tela 2014-04-11 às 13.30.18

Atualmente, Borba está a frente do “Programa de Educação Continuada” nas fazendas de pecuária extensiva.

Borba é praticante daquilo que normalmente se chama “Zen Budismo”, faz pilates e seus livros preferidos são os de Horsemanship & Stockmanship que se mostram como os animais operam suas vidas e os de “Zen Budismo” que o ajudam muito no seu trabalho – no estado de espírito “com ele mesmo”. Suas músicas preferidas, são, bossa nova e jazz. É formado em Economia pela PUCC, mas nunca exerceu essa profissão.

Desde 1972 vem desenvolvendo esse trabalho com cavalos, gado e principalmente as pessoas, assim, é muito mais professor do que qualquer outra coisa!

Aliado ao seu trabalho, Borba fez muitos cursos nos EUA e rapidamente percebeu que lidar e domar animais sem violência, não era tão difícil, mas lidar com o temperamento das pessoas que lidam com os animais era o que se apresentava como realmente complexo e difícil.

Por isso, desde cedo instituiu nos seus cursos atividades “extra cavalos” e “extra gado”, como escrever, desenhar, teatralizações e exercícios para aguçar o intuitivo, a percepção, a sensibilidade e o timing dos participantes.

Captura de Tela 2014-04-11 às 11.42.02

BeefPoint: O que você implementou de diferente no trabalho de difusão dos conceitos em bem-estar animal – de forma técnica?

Eduardo Borba: Quem toca a pecuária no dia a dia é o vaqueiro. O pecuarista só dá as condições, que muitas vezes não são as melhores. Cavalos e mulas são uma das principais ferramentas da pecuária, mas nem sempre o pecuarista se preocupa em investir numa tropa boa, assim como em equipamentos eficientes.

Acho que o ponto forte do meu trabalho é que priorizo o ser humano. Não importa se estamos lidando com vacas, cavalos ou mulas. O ser humano é o mais importante. Ele precisa conhecer e saber como esses animais operam suas vidas para então poder ser eficiente quando interfere no comportamento deles.

Assim, precisa aprender a usar o instinto de auto preservação a seu favor e não brigar com ele. Como já disse, não existe a menor possibilidade de melhorar a vida dos animais se não ajudarmos o ser humano.

BeefPoint: Qual a aceitabilidade dos pecuaristas quanto a adoção de novas técnicas de manejo em suas propriedades, principalmente as focadas no manejo racional?

Eduardo Borba: Acredito que não temos a menor possibilidade de mudar um paradigma se não houver uma vontade explícita vinda daqueles que tem a pecuária como um negócio.

Estamos trabalhando com uma elite intelectual da pecuária que consegue perceber isso e adota o que chamamos de “Programa de Educação Continuada”. Visitamos a propriedade no mínimo quatro vezes por ano e trabalhamos com o mesmo grupo de pessoas (gerentes e chefes de retiro) que são as pessoas que vão difundir os novos conceitos dentro da propriedade.

Portanto, é “a atitude psicológica” do vaqueiro na aplicação das novas técnicas que é o agente modificador.

Captura de Tela 2014-04-11 às 13.32.31

BeefPoint: Quais as técnicas e argumentos você utiliza para convencer o seu cliente que o bem-estar animal é algo que faz a diferença em todo o ciclo da cadeia produtiva da carne?

Eduardo Borba: Não existe nenhuma técnica mais eficiente do que a compreensão do vaqueiro no que diz respeito a como os animais operam suas vidas.

Não existe como não perceber, pois os resultados são absolutamente imediatos. Vou passar aqui um depoimento que veio a menos de um mês da primeira visita:

“Bom dia Sr. Borba, tudo bem?

Baseado no comportamento animal, estamos mudando a forma como era ‘escolarizada’ (cerca de choque) as desmamas na fazenda Jatiuca.

Para o senhor entender melhor, a escolinha era utilizada da seguinte maneira:

Os animais entravam na escolinha toda quarta-feira a noite e saíam no sábado de manhã,
O processo era basicamente, dar água aos animais, arrumar o fio quebrado e o sinal que estavam ‘escolarizadas’ seria se manterem a um metro de distância da cerca e não ter vontade de pular a cerca.
Manejo novo:

Entrada quinta-feira pela manhã e saída quinta-feira a tarde,
Ensinamos os animais a serem conduzidos (pressão e alívio),
Mostramos o que é o choque,
Ensinamos o que é colchete de choque,
Evitamos acuar os animais, para que com o medo, eles quebrem a cerca e pulem o choque,
Ensinamos os animais a andar pelo corredor de choque e a fazer viradas dentro do corredor de choque,
O sinal de ‘escolarizadas’ acontece entre 1 a 2 horas de manejo.”
Ou seja, cavalos, bovinos e muares, são animais que pensam, sentem, decidem e tem uma capacidade enorme de aprender.

É incrível, que quando o ser humano tem “disponibilidade interna” para ensinar, eles aprendem muito rápido – e isso é sem dúvidas, revertido em lucro em todos os sentidos.

BeefPoint: Qual o perfil de pecuarista que procura pelo seu serviço?

Eduardo Borba: Uma elite intelectual que compreende que a pecuária faz parte, assim como qualquer atividade, dos problemas e desafios que a humanidade enfrenta nos dias de hoje.

BeefPoint: Como você descreveria sua linha de trabalho?

Eduardo Borba: Na verdade sou um psicanalista empírico de vaqueiros e animais.

Captura de Tela 2014-04-11 às 11.42.09

BeefPoint: Como o bem-estar se integra nisso? O que vem lhe trazendo mais resultados?

Eduardo Borba: O “bem-estar” só pode se integrar no dia a dia das fazendas via “ser humano”.

Acredito que o fato dos vaqueiros perceberem que os animais conseguem compreender o que querem que façam sem precisar forçar, nem intimidar e nem usar de dor física, já é um grande resultado.

Sendo assim, para que uma técnica seja eficiente ela precisa ser aplicada usando o trinômio:

Sensibilidade,
Timing,
Bom senso.
Na verdade, o vaqueiro já tem isso, então basta ajudá-lo a desenvolver esses três elementos. E sem dúvidas, é esse desenvolvimento que vai diferenciando uma pessoa da outra, no “curral”.

Captura de Tela 2014-04-11 às 13.32.20

BeefPoint: Todos sabemos que aprendemos mais com nossos erros. O que fez e deu errado? Você poderia nos contar?

Eduardo Borba: Talvez o erro seja o elemento mais importante do nosso trabalho. Com animais tudo é uma questão de tentativa, erro e acerto.

BeefPoint: Qual inovação e/ou novidade no setor você mais gostou dos últimos anos? O que estamos precisando inovar?

Eduardo Borba: A pecuária sempre foi uma classe absolutamente desunida e individualista e agora com a mentalidade empresarial chegando ela está tomando novos rumos e o BeefPoint – diga-se Miguel Cavalcanti e sua Equipe -, são os grandes responsáveis pela coesão da classe.

Reunir 1000 pessoas em 10 de dezembro, em Ribeirão Preto/SP e ter tudo tão absolutamente organizado e com a qualidade apresentada, deve chamar muito a atenção desses senhores. Para mim essa é a grande inovação.

BeefPoint: Quais seus planos em 2014?

Eduardo Borba: Poder estar e ser cada vez mais atuante e presente na pecuária brasileira.

BeefPoint: Qual o maior desafio da pecuária brasileira hoje?

Eduardo Borba: O vaqueiro brasileiro é a classe mais desassistida do Brasil. Os nossos vaqueiros não precisam aprender a trabalhar com gado ou cavalos, eles precisam aprender a “pensar”. Só assim vão conseguir decidir usando “bom senso”.

BeefPoint: Qual o exemplo de profissional dessa área você mais admira?

Eduardo Borba: Breno Barros. Ele é a pecuária moderna, ou seja, ele olha para a pecuária como um todo. Como por exemplo: o vaqueiro é apenas um item, pois tem a mulher dele que precisa estar bem, se sentir participante de todo o processo, e isto, para que o seu marido possa estar presente como um todo: física, mental e emocionalmente, nos seus afazeres.

Foi ele o criador do Programa de Educação Continuada e assim como eu, ele sabe que o importante para se ter uma carne de primeira é ter gente de primeira.

BeefPoint: Qual seu recado para os pecuaristas?

Eduardo Borba: Ofereça escola de primeira para seus vaqueiros.

Captura de Tela 2014-04-11 às 11.46.36

Confira outras entrevistas do Eduardo Borba no BeefPoint:

Eduardo Borba: não existe a menor possibilidade de mudar os animais se você não mudar as pessoas [vídeo]

Uma questão de ponto de vista – por Eduardo Borba

Confira outras fotos que ilustram o trabalho desenvolvido por Eduardo Borba:

Captura de Tela 2014-04-11 às 13.31.12

Captura de Tela 2014-04-11 às 13.31.58

Captura de Tela 2014-04-11 às 13.28.49

Captura de Tela 2014-04-11 às 13.28.14

Captura de Tela 2014-04-11 às 13.30.57

Captura de Tela 2014-04-11 às 13.30.47

Captura de Tela 2014-04-11 às 13.29.42

Conheça melhor o BeefSummit Bem-Estar Animal!

555x90-Bem-estar

Prêmio BeefPoint 2014 – Edição Bem-estar Animal – Vote agora em quem é referência no Brasil!

450x90

Quer ganhar um convite? Participe da promoção de fotos BeefSummit Bem-estar Animal!

CONCURSO-DE-FOTOS---555X90

 BeefSummit Bem-estar AnimalEduardo BorbaPrêmio BeefPoint 2014 - Edição Bem-estar Animalprofissional
3 opiniões sobre “O ponto forte do meu trabalho é que priorizo o ser humano – Eduardo Borba [Prêmio BeefPoint Bem-estar Animal]”

PAULO ROBERTO SILVA - 14/04/2014
Grande Borba, continua bem em forma…não gastou nem os dentes.
Boa sorte, você merece.

VALDIVINO ETERNO MOREIRA DA SILVA - 24/04/2014
Exelente matéria do Prof Borba gostaria muito de ler outras

EGIDIO QUINTAL - 25/04/2014
Pessoas como o prof.Borba mostra nos e a nossos vaqueiros a importancia do bem estar animal

Os comentários estão encerrados.


OU UTILIZE O FACEBOOK PARA COMENTAR

TV BEEF


NAVEGUE
AGROTALENTO
HOME
EDITORIAL
GIRO DO BOI
ESPAÇO ABERTO
MARKETING DA CARNE
ENTREVISTAS
PECUÁRIA DE CRIA
SUSTENTABILIDADE
CONFINAMENTO
GERENCIAMENTO
MANEJO RACIONAL
NUTRIÇÃO
PASTAGENS
QUALIDADE DA CARNE
REPRODUÇÃO
SISTEMAS DE PRODUÇÃO
CARNE & SAÚDE
POPULAR
abate aftosa agricultura animais animal argentina arroba atacado bezerro boi boi gordo bovina bovinos brasil brasileira carne cotação esalq eua exportação exportações frigorífico frigoríficos gado gordo governo mapa mato mercado mercado futuro mercado físico ministério nelore pecuária presidente preço produto produtores produção rebanho relação reposição sul vaca venda
SIGA O BEEFPOINT
FACEBOOK TWITTER YOUTUBE INSTAGRAM RSS
Logotipo BeefPoint
Pecuária do Futuro

Página Principal
Editorial
Blog Miguel Cavalcanti
Giro do Boi
Marketing da Carne
Entrevistas
Radares Técnicos

Gerenciamento
Manejo Racional
Melhoramento Genético
Nutrição
Pastagens
Qualidade da Carne
Reprodução
Sistemas de Produção
Contato

Contato
Fale com a diretoria
Publicidade e Patrocínios
Parceiros do BeefPoint
AgriPoint
MilkPoint
FarmPoint
CaféPoint
Siga o BeefPoint

FACEBOOK TWITTER YOUTUBE INSTAGRAM RSS
  
José Eduardo Pacheco Borba é conhecido no meio profissional como Prof. Borba, onde desenvolve atividades na área de “Consultor de Capacitação” – denominação dada por seu grande amigo Breno Barros!
Mora na sede do Projeto Doma em Capivari/SP, onde Borba e a Dudi Ometto – sua esposa e companheira -, desenvolve um paralelo. Ela com cavalos e cursos de rédeas e Borba com iniciação de potros, escola básica e cursos de equitação de vaqueiro e educação equestre com animais jovens.
Captura de Tela 2014-04-11 às 13.30.18
Atualmente, Borba está a frente do “Programa de Educação Continuada” nas fazendas de pecuária extensiva.
Borba é praticante daquilo que normalmente se chama “Zen Budismo”, faz pilates e seus livros preferidos são os de Horsemanship & Stockmanship que se mostram como os animais operam suas vidas e os de “Zen Budismo” que o ajudam muito no seu trabalho – no estado de espírito “com ele mesmo”. Suas músicas preferidas, são, bossa nova e jazz. É formado em Economia pela PUCC, mas nunca exerceu essa profissão.
Desde 1972 vem desenvolvendo esse trabalho com cavalos, gado e principalmente as pessoas, assim, é muito mais professor do que qualquer outra coisa!
Aliado ao seu trabalho, Borba fez muitos cursos nos EUA e rapidamente percebeu que lidar e domar animais sem violência, não era tão difícil, mas lidar com o temperamento das pessoas que lidam com os animais era o que se apresentava como realmente complexo e difícil.
Por isso, desde cedo instituiu nos seus cursos atividades “extra cavalos” e “extra gado”, como escrever, desenhar, teatralizações e exercícios para aguçar o intuitivo, a percepção, a sensibilidade e o timing dos participantes.
Captura de Tela 2014-04-11 às 11.42.02
BeefPoint: O que você implementou de diferente no trabalho de difusão dos conceitos em bem-estar animal – de forma técnica?
Eduardo Borba: Quem toca a pecuária no dia a dia é o vaqueiro. O pecuarista só dá as condições, que muitas vezes não são as melhores. Cavalos e mulas são uma das principais ferramentas da pecuária, mas nem sempre o pecuarista se preocupa em investir numa tropa boa, assim como em equipamentos eficientes.
Acho que o ponto forte do meu trabalho é que priorizo o ser humano. Não importa se estamos lidando com vacas, cavalos ou mulas. O ser humano é o mais importante. Ele precisa conhecer e saber como esses animais operam suas vidas para então poder ser eficiente quando interfere no comportamento deles.
Assim, precisa aprender a usar o instinto de auto preservação a seu favor e não brigar com ele. Como já disse, não existe a menor possibilidade de melhorar a vida dos animais se não ajudarmos o ser humano.
BeefPoint: Qual a aceitabilidade dos pecuaristas quanto a adoção de novas técnicas de manejo em suas propriedades, principalmente as focadas no manejo racional?
Eduardo Borba: Acredito que não temos a menor possibilidade de mudar um paradigma se não houver uma vontade explícita vinda daqueles que tem a pecuária como um negócio.
Estamos trabalhando com uma elite intelectual da pecuária que consegue perceber isso e adota o que chamamos de “Programa de Educação Continuada”. Visitamos a propriedade no mínimo quatro vezes por ano e trabalhamos com o mesmo grupo de pessoas (gerentes e chefes de retiro) que são as pessoas que vão difundir os novos conceitos dentro da propriedade.
Portanto, é “a atitude psicológica” do vaqueiro na aplicação das novas técnicas que é o agente modificador.
Captura de Tela 2014-04-11 às 13.32.31
BeefPoint: Quais as técnicas e argumentos você utiliza para convencer o seu cliente que o bem-estar animal é algo que faz a diferença em todo o ciclo da cadeia produtiva da carne?
Eduardo Borba: Não existe nenhuma técnica mais eficiente do que a compreensão do vaqueiro no que diz respeito a como os animais operam suas vidas.
Não existe como não perceber, pois os resultados são absolutamente imediatos. Vou passar aqui um depoimento que veio a menos de um mês da primeira visita:
“Bom dia Sr. Borba, tudo bem?
Baseado no comportamento animal, estamos mudando a forma como era ‘escolarizada’ (cerca de choque) as desmamas na fazenda Jatiuca.
Para o senhor entender melhor, a escolinha era utilizada da seguinte maneira:
  • Os animais entravam na escolinha toda quarta-feira a noite e saíam no sábado de manhã,
  • O processo era basicamente, dar água aos animais, arrumar o fio quebrado e o sinal que estavam ‘escolarizadas’ seria se manterem a um metro de distância da cerca e não ter vontade de pular a cerca.
Manejo novo:
  • Entrada quinta-feira pela manhã e saída quinta-feira a tarde,
  • Ensinamos os animais a serem conduzidos (pressão e alívio),
  • Mostramos o que é o choque,
  • Ensinamos o que é colchete de choque,
  • Evitamos acuar os animais, para que com o medo, eles quebrem a cerca e pulem o choque,
  • Ensinamos os animais a andar pelo corredor de choque e a fazer viradas dentro do corredor de choque,
  • O sinal de ‘escolarizadas’ acontece entre 1 a 2 horas de manejo.”
Ou seja, cavalos, bovinos e muares, são animais que pensam, sentem, decidem e tem uma capacidade enorme de aprender.
É incrível, que quando o ser humano tem “disponibilidade interna” para ensinar, eles aprendem muito rápido – e isso é sem dúvidas, revertido em lucro em todos os sentidos.
BeefPoint: Qual o perfil de pecuarista que procura pelo seu serviço?
Eduardo Borba: Uma elite intelectual que compreende que a pecuária faz parte, assim como qualquer atividade, dos problemas e desafios que a humanidade enfrenta nos dias de hoje.
BeefPoint: Como você descreveria sua linha de trabalho?
Eduardo Borba: Na verdade sou um psicanalista empírico de vaqueiros e animais.
Captura de Tela 2014-04-11 às 11.42.09
BeefPoint: Como o bem-estar se integra nisso? O que vem lhe trazendo mais resultados?
Eduardo Borba: O “bem-estar” só pode se integrar no dia a dia das fazendas via “ser humano”.
Acredito que o fato dos vaqueiros perceberem que os animais conseguem compreender o que querem que façam sem precisar forçar, nem intimidar e nem usar de dor física, já é um grande resultado.
Sendo assim, para que uma técnica seja eficiente ela precisa ser aplicada usando o trinômio:
  • Sensibilidade,
  • Timing,
  • Bom senso.
Na verdade, o vaqueiro já tem isso, então basta ajudá-lo a desenvolver esses três elementos. E sem dúvidas, é esse desenvolvimento que vai diferenciando uma pessoa da outra, no “curral”.
Captura de Tela 2014-04-11 às 13.32.20
BeefPoint: Todos sabemos que aprendemos mais com nossos erros. O que fez e deu errado? Você poderia nos contar?
Eduardo Borba: Talvez o erro seja o elemento mais importante do nosso trabalho. Com animais tudo é uma questão de tentativa, erro e acerto.
BeefPoint: Qual inovação e/ou novidade no setor você mais gostou dos últimos anos? O que estamos precisando inovar?
Eduardo Borba: A pecuária sempre foi uma classe absolutamente desunida e individualista e agora com a mentalidade empresarial chegando ela está tomando novos rumos e o BeefPoint – diga-se Miguel Cavalcanti e sua Equipe -, são os grandes responsáveis pela coesão da classe.
Reunir 1000 pessoas em 10 de dezembro, em Ribeirão Preto/SP e ter tudo tão absolutamente organizado e com a qualidade apresentada, deve chamar muito a atenção desses senhores. Para mim essa é a grande inovação.
BeefPoint: Quais seus planos em 2014?
Eduardo Borba: Poder estar e ser cada vez mais atuante e presente na pecuária brasileira.
BeefPoint: Qual o maior desafio da pecuária brasileira hoje?
Eduardo Borba: O vaqueiro brasileiro é a classe mais desassistida do Brasil. Os nossos vaqueiros não precisam aprender a trabalhar com gado ou cavalos, eles precisam aprender a “pensar”. Só assim vão conseguir decidir usando “bom senso”.
BeefPoint: Qual o exemplo de profissional dessa área você mais admira?
Eduardo Borba: Breno Barros. Ele é a pecuária moderna, ou seja, ele olha para a pecuária como um todo. Como por exemplo: o vaqueiro é apenas um item, pois tem a mulher dele que precisa estar bem, se sentir participante de todo o processo, e isto, para que o seu marido possa estar presente como um todo: física, mental e emocionalmente, nos seus afazeres.
Foi ele o criador do Programa de Educação Continuada e assim como eu, ele sabe que o importante para se ter uma carne de primeira é ter gente de primeira.
BeefPoint: Qual seu recado para os pecuaristas?
Eduardo Borba: Ofereça escola de primeira para seus vaqueiros.
Captura de Tela 2014-04-11 às 11.46.36
Confira outras entrevistas do Eduardo Borba no BeefPoint:
Confira outras fotos que ilustram o trabalho desenvolvido por Eduardo Borba:
Captura de Tela 2014-04-11 às 13.31.12
Captura de Tela 2014-04-11 às 13.31.58
Captura de Tela 2014-04-11 às 13.28.49
Captura de Tela 2014-04-11 às 13.28.14
Captura de Tela 2014-04-11 às 13.30.57
Captura de Tela 2014-04-11 às 13.30.47
Captura de Tela 2014-04-11 às 13.29.42
555x90-Bem-estar
450x90
CONCURSO-DE-FOTOS---555X90

3 opiniões sobre “O ponto forte do meu trabalho é que priorizo o ser humano – Eduardo Borba [Prêmio BeefPoint Bem-estar Animal]”

  • PAULO ROBERTO SILVA - 14/04/2014
    Grande Borba, continua bem em forma…não gastou nem os dentes.
    Boa sorte, você merece.
  • VALDIVINO ETERNO MOREIRA DA SILVA - 24/04/2014
    Exelente matéria do Prof Borba gostaria muito de ler outras
  • EGIDIO QUINTAL - 25/04/2014
    Pessoas como o prof.Borba mostra nos e a nossos vaqueiros a importancia do bem estar animal
Os comentários estão encerrados.

OU UTILIZE O FACEBOOK PARA COMENTAR


Nenhum comentário:

Postar um comentário